esta da Iemanjá 2019 — Foto: Roberto Viana/Ag. Haack

Uma vez por ano, o cheiro de maresia do bairro do Rio Vermelho, em Salvador, se mistura ao da alfazema e das flores. Tradicionalmente, o dia 2 de fevereiro é reservado para pedidos e agradecimentos durante a Festa de Iemanjá.

Neste sábado (2), uma multidão de baianos e turistas foi prestar as homenagens à Rainha do Mar.
As homenagens começaram ainda na madrugada, com a alvorada. O ritual é iniciado pelos pescadores, em gratidão pela fartura que vem das águas salgadas.

Aos poucos, os devotos foram chegando para depositar as oferendas no caramanchão, construção instalada para receber o andor com a imagem de Iemanjá, ou diretamente no mar.
Os que preferiram deixar os presentes no caramanchão enfrentaram uma longa fila, que saía da Casa de Iemanjá, na Colônia de Pesca do Rio Vermelho.

Quem decidia levar à oferenda diretamente ao mar, seguia o conhecido ritual de renovação da fé: descer a escadaria, pisar na areia, chegar à beira da água e fazer a prece. Devotos, como Aninha Borges, chegaram ainda na madrugada e ficaram para ver o restante da festa.
"Eu vim, como venho todos os anos. Agradeço pelas graças alcançadas e por todas as conquistas e vitórias que ela [Iemanjá] me proporcionou. Cheguei aqui no Rio Vermelho às 2h da manhã. Estou aqui ainda, agradecendo e sentindo a energia do lugar", disse.

Entre as diversas histórias de fé e agradecimento, a da veterana Lânia Reis. A baiana participa da festa há mais de uma década, para cumprir a promessa de uma graça alcançada através do orixá.
"Eu vim agradecer pela minha saúde, saúde da família, pelo ano que passou. O ano de 2018 para mim foi o ano da gratidão. Além disso, eu vim cumprir uma promessa. Eu tive um problema sério de saúde e pedi com muita fé a ela, e ela me curou. Fiz a promessa de vir colocar minhas flores e enfrentar essa fila. Sou muito devota, cumpro há 12 anos", contou Lânia.

Nas religiões de matrizes africanas, Iemanjá é considerada a mãe de todos os orixás. Por conta disso, muitas mulheres recorrem a ela para pedir e agradecer pela gravidez tranquila e saudável. É o caso de Tainá Borges, grávida de 7 meses de Cecília.
"Hoje eu só vim agradecer. Agradecer pelas bençãos concedidas o ano todo, pelos caminhos abertos. Pela minha filha, que é um presente que eu pedi com fé, e ela me deu", disse Tainá Borges.
A celebração continua pela tarde. A procissão de embarcações para a entrega do presente principal, no mar, além de cerca de 600 balaios com oferendas depositadas pelos devotos e admiradores, está prevista para às 15h30, também no Rio Vermelho. A saída é da Colônia de Pescadores.

Fonte: G1